top of page

Proteger o vosso bebé: Porque é que os recém-nascidos merecem estar no modo “sem visitas”!


Olá a todos os pais meio “zombies” que estão a tentar ler estas linhas num ambiente de privação de sono sem fim à vista (motivador, não?). Cá está esta pediatra a tentar que a vossa vida enquanto nova família seja o menos recheada possível de percalços evitáveis. Bem sei que não só vocês, mas todos à vossa volta estão super entusiasmados com a recém novidade nos vossos braços – mais um pequeno mini-humano no nosso mundo! Mas este é o vosso “mini-humano”, portanto ainda mais especial. E é aquele bebé que só pode contar vocês para colocarem aquela capa de “super-pais” que eu sei que têm para aí escondida debaixo de uma almofada qualquer, e estabelecer uma regra essencial – Modo sem visitas ON.

Sim, eu não quero funcionar como desmancha-prazeres, mas esta é uma medida extremamente importante no início de vida do vosso bebé. E se não forem vocês a aplicá-la, ele não tem mais ninguém que o faça. E como quero que se sintam confiantes e conscientes de que o fazem para o bem do vosso mini-humano, aqui ficam as razões para ligarmos este modo.


O paraíso dos microbichos



Imaginem este quadro – ali está o vosso lindo bebé acabadinho de nascer, com aquele cheiro maravilhoso a bebé que sabe-se lá bem como só eles têm, bem deitadinho no seu espaço. E à volta dele, uma selva invisível de bactérias, vírus, parasitas, prontos a invadir um sistema imunitário ainda não completamente desenvolvido. Lembrem-se, os recém-nascidos estão a amadurecer os seus vários sistemas, incluindo o sistema imunitário, que é responsável pelo combate aos microorganismos que lhe podem causar doença. E ao limitar o número de pessoas que contacta com o vosso bebés, vocês reduzem substancialmente o risco de infeções, principalmente porque em adultos e bebés ou crianças mais velhas, pode haver transmissão de vírus ou bactérias sem as pessoas darem conta que estão doentes. E se uma criança maior tem apenas um “pingo no nariz” por causa de uma virose, um recém-nascido pode ficar verdadeiramente doente. Esta é a primeira razão.


Sono, doce sono


Tal como comecei por dizer, a privação do sono é uma realidade quase universal entre os recém-pais. E ter de lidar com um festival de visitas, cortejo ou romaria para adorar o novo bebé, pode significar ainda mais cansaço, menos tempo para dormir, ou simplesmente parar. São visitas sempre bem intencionadas, mas na realidade não se apercebem de que cada segundo ou minuto de descanso vai contar para vocês. Lembrem-se sempre – pais descansados são pais mais relaxados, e consequentemente mais satisfeitos, e pais mais satisfeitos levam naturalmente a bebés mais satisfeitos. Por isso, ao cuidar de vós, e ligar o Modo sem visitas, estão a aumentar a vossa probabilidade de que as coisas corram bem para toda a gente. E temos aqui a segunda razão.


Isto não é um circo de bebés



Estão a ver os malabaristas a tentar jogar com muitos objetos ao mesmo tempo? Lamento dizer-vos, mas vocês têm menor probabilidade de o conseguir fazer com as visitas do que eles têm na sua profissão. Entre as corridas do primo Artur, a tosse do tio Zé, ou as risadas histéricas da amiga Júlia, o vosso bebé que ainda nem bem chegou a este mundo já vai ter mais do que a sua quota parte de estimulação, muito mais do que está preparado para aguentar. Lembrem-se que o vosso rebento não tem nenhuma capacidade de se regular sozinho, e cada alteração ao seu ambiente vai sobrecarregar os seus sentidos, e levá-lo a exprimir de forma... veemente... a sua insatisfação. Por isso, vão aumentar, e muito, a probabilidade de que chore, até que vocês tenham vontade de chorar mais do que ele. O que não ajuda ninguém. Serve como terceira razão?



Tempo de criar o vosso círculo



Já ouviram dizer que é preciso uma aldeia inteira para criar uma criança? Este ditado tem a sua razão, mas precisamos de explicar à “aldeia” o que queremos dela. Vocês, enquanto pais, estão a criar um casulo à volta do vosso bem mais precioso. E a vossa aldeia são aqueles familiares e amigos mais próximos que percebem quais as vossas reais necessidades, que geralmente são mais a nível do apoio logístico (a comida feita, a roupa lavada e passada, a casa limpa...), e não a vizinha que nem sequer teve filhos mas já acha que o vosso leite certamente é fraco porque o miúdo está sempre a chorar. Vocês não precisam de nada disso. Não precisam de palpites, precisam de quem vos apoie nos momentos em que vocês precisam, porque são vocês que estão lá e têm de estar a 200% para o vosso bebé. Ao limitar as visitas, vocês estão também a limitar todos estes conselhos não pedidos e muitas vezes até desadequados, que podem prejudicar a vossa confiança e estabilidade. E aqui fica a quarta razão.


Portanto, em resumo. Podem parecer mal-agradecidos, antipáticos, arrogantes, ou paranoicos para os outros. E é difícil assumir este “Modo sem visitas”. Mas na realidade é uma das maiores provas de amor e de proteção que vocês podem dar ao vosso bebé. Ao protegê-lo de gérmens potencialmente perigosos, ao manter a rotina de sono, evitar um autêntico circo, e dar espaço ao vosso círculo interno vocês estão a dar-lhe as melhores ferramentas que ele pode ter para começar a sua vida em segurança. Portanto, não deixem essa autoridade em mãos alheias, e lembrem-se, se não forem vocês, quem mais irá preocupar-se com o seu bem-estar? Desde o primeiro dia.

337 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


Os comentários foram desativados.
bottom of page